Logo BCM.
Banner – Anuncie Aqui- 970×250 | CENSURA ZERO  

PT estima acomodar aliados de Lula em até 20 ministérios

Lula lidera a pesquisa eleitoral para a Presidência da República

A cúpula petista estima que haverá de 15 a 20 ministérios disponíveis para acomodar os apoiadores do governo do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O número já incluiria os indicados pelo próprio partido.

Lula tem dado prioridade para temas mais sensíveis, como o Ministério da Defesa (José Múcio Monteiro está próximo de ser anunciado) e o da Fazenda (Fernando Haddad é o favorito).

Nesta quinta-feira, em reunião com congressistas do PT, Lula indicou que a presidente do partido, Gleisi Hoffmann, não será ministra. Também mencionou os ministérios com sede no Palácio do Planalto (como Casa Civil), Fazenda e a pasta responsável pela assistência social como importantes para o PT.

As tratativas com os partidos devem afunilar depois da diplomação do presidente eleito, em 12 de dezembro. Há pressão para adiantar o processo. Lula terá de administrar interesses dentro do próprio partido: setores petistas defendem que até 15 pastas fiquem com a sigla.

Contando as pastas que foram anunciadas por Lula ou por seus aliados mais próximos, serão ao menos 35 a partir de 1º de janeiro – o Ministério da Segurança Pública, porém, foi anunciado e tende a não ser criado. No governo de Jair Bolsonaro (PL), são 23 ministérios.

Se o limite de 20 ministérios para a base prevalecer, sobrarão 15 pastas. Seriam da cota pessoal de Lula e o que os petistas chamam de “ministérios de Estado”, como Advocacia Geral da União (AGU), Controladoria Geral da União (CGU) e Defesa.

A cota pessoal de Lula, porém, também será objeto de disputa. O MDB busca ter dois ministérios da Esplanada mais a indicação da senadora Simone Tebet na cota do presidente eleito. O PT, porém, tenta empurrá-la para a parte que cabe ao MDB.

A situação do senador eleito Flávio Dino (PSB-MA) é semelhante. Ele é o favorito para o Ministério da Justiça. Lula indicou que ele integraria o governo ainda na campanha.

Os petistas querem que ele conte para a cota do PSB. A bancada pessebista na Câmara, porém, indicou o nome de Márcio França (PSB-SP) para o Ministério das Cidades.

Há cobranças de União Brasil e PSD. Além disso, o PDT apoiou Lula no 2º turno e deverá ter uma pasta na Esplanada.

A cúpula do PT também gostaria que aliados pequenos, mas de primeira hora, como Rede, Psol e PC do B, tenham ministérios.

Lula tem reclamado a pessoas próximas das cobranças que ouve, de aliados e de indicados, para que sejam nomeados para a Esplanada.

A formação de governo, em 2022, deve ser mais difícil do que 20 anos atrás, quando o petista foi eleito presidente pela primeira vez.

Há três diferenças principais de 2002 para agora:

  • eleição apertada – Lula teve 50,9% dos votos no 2º turno em 2022, contra 61,3% em 2002. Além disso, os 49,10% que votaram contra o presidente eleito nesse ano são muito mais antipetistas do que os opositores da 1ª eleição;
  • pulverização partidária – em 2002, 4 partidos (PT, PFL, PMDB e PSDB) elegeram ao menos 70 deputados cada um. Nesse ano, só o PL, de oposição a Lula, passou dessa marca;
  • emendas de relator – o dispositivo dá ao Congresso controle sobre parte dos recursos para investimento e deixa menos custoso para um congressista não aderir ao governo.

Além disso, Lula escolheu a aprovação de uma proposta de emenda à Constituição antes da posse como caminho para furar o teto de gastos para cumprir promessas de campanha.

Trata-se do tipo de projeto mais difícil de passar no Congresso. A necessidade de o presidente eleito obter votos de congressistas agora aumentou o poder de barganha dos partidos.

Leave a Comment