Logo BCM.
Banner – Anuncie Aqui- 970×250 | CENSURA ZERO  

Esquema de segurança da posse de Lula será revisto, afirma Dino

 (Foto: Isaac Amorim/MJSP)
Foto: Isaac Amorim/MJSP
O futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, informou, ontem, que será feita uma reavaliação do esquema de segurança para a posse do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A decisão ocorre após a tentativa de explosão de uma bomba próxima ao aeroporto de Brasília, que levou à prisão do empresário George Washington de Oliveira Sousa, 54 anos.
“A posse do presidente Lula ocorrerá em paz. Todos os procedimentos serão reavaliados, visando ao fortalecimento da segurança. E o combate aos terroristas e arruaceiros será intensificado. A democracia venceu e vencerá”, anunciou, em publicação no Twitter.
Horas antes, Dino afirmou que tomará medidas efetivas para a formação de grupos especiais de combate ao terrorismo e ao armamentismo. “Irei propor que o procurador-geral da República e o Conselho Nacional do Ministério Público constituam grupos especiais para combate ao terrorismo e ao armamentismo irresponsável. O Estado de direito não é compatível com essas milícias políticas”, enfatizou.
Para Dino, os acampamentos bolsonaristas, em especial o montado no QG do Exército em Brasília, se tornaram formadores de extremistas. “Os graves acontecimentos de ontem (sábado) em Brasília comprovam que os tais acampamentos ‘patriotas’ viraram incubadoras de terroristas. Medidas estão sendo tomadas e serão ampliadas, com a velocidade possível”, enfatizou. “O armamentismo gera outras degenerações. Superá-lo é uma prioridade.”

Ele elogiou o trabalho da Polícia Civil do DF, “que agiu com eficiência”. “Mas, ao mesmo tempo, lembro que há autoridades federais constituídas que também devem agir, à vista de crimes políticos”, destacou. “As investigações sobre o inaceitável terrorismo prosseguem. O delegado Andrei (Passos), futuro diretor-geral da PF (Polícia Federal), tem feito o acompanhamento, em nome da equipe de transição.”
Dino prometeu lidar com rigor ante o radicalismo. “Não há pacto político possível e nem haverá anistia para terroristas, seus apoiadores e financiadores”, assegurou.
Passos segue em contato com a atual direção da PF e com o comando da Polícia Militar do Distrito Federal, mas não pode tomar decisões. Mesmo assim, Dino prometeu celeridade nas medidas para conter os manifestantes mais agressivos.
Contatos
Flávio Dino tem mantido contato com o futuro ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, que está no Recife para as festas de fim de ano. O Correio tentou contato com Múcio, que informou que falará a partir de hoje sobre o assunto, após se “inteirar melhor”.
A PF garantiu, por meio de nota, que está em diálogo com as demais forças de segurança pública do DF. Além desse episódio, tem alinhado as medidas para a posse de Lula, com especial atenção às autoridades que estarão presentes.
“A proteção de cada autoridade passa por uma análise de risco, que indica o nível de proteção adequado. Novos fatos sempre são levados em consideração e, se necessário, podem levar a eventual majoração da proteção e a readequações no planejamento operacional, o qual é dinâmico”, ressaltaram.
O futuro ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT), comentou o caso: “A polícia prendeu o bolsonarista que arquitetou a explosão de um caminhão no aeroporto de Brasília. Nosso Estado é democrático! Golpismo e terrorismo armamentista devem e serão tratados como crimes pela Justiça”.
Um dos integrantes da equipe de transição, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) seguiu a linha de Dino. “Os tais ‘acampamentos patrióticos’ se tornaram células terroristas. Terrorismo é crime hediondo, insuscetível de anistia, graça ou indulto”, frisou.

Por: Tainá Andrade – Correio Braziliense

Leave a Comment