Logo BCM.

Dengue: Brasil se aproxima de 2 milhões de casos

Foto: Reprodução Reuters/Paulo Witaker

O enfrentamento à maior epidemia de dengue já registrada no Brasil até hoje vem de todos os lados: sociedade civil e poder público. A vacina é um importante aliado, mas por conta da pequena capacidade de produção do fabricante, está acessível apenas a um pequeno público: de 10 a 14 anos.

Segundo o Ministério da Saúde, todo estoque disponível de vacinas contra a dengue em 2024 e 2025 foi comprado. Ainda este ano serão entregues 5,2 milhões de doses, além de uma doação de 1,3 milhão de doses. O que deve permitir que 3,2 milhões de pessoas fiquem imunizadas com as duas doses que completam o esquema vacinal.

Até segunda-feira, 18 de março, 1.235.236 doses haviam sido distribuídas e, dessas, 436.149 aplicadas no público-alvo pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o que corresponde a 35,3%. Mas o combate ao mosquito ainda é o maior desafio e precisa continuar.

MG e DF na liderança dos casos de dengue

O estado de Minas Gerais lidera a lista com o maior número de registros da doença: 662.952 e 107 mortes confirmadas, mas a maior incidência está no DF, com 5.678 casos por 100 mil habitantes e 159.957 registros da doença.

Quem já pegou, não esquece. Como a brasiliense Ana Beatriz de Oliveira, de 22 anos. Ela já pegou dengue três vezes — as duas últimas, este ano, foram hemorrágicas. Ela conta que os sintomas foram piorando a cada reinfecção..

“As dores no corpo nas duas primeiras vezes não foram tão fortes como foram agora. Eu estava debilitada para andar, para comer, eu estava com uma dor no olho que mal conseguia abrir. Não conseguia movimentar a cabeça rápido porque ficava muito tonta. Não conseguia fazer praticamente nada.”

Com medo de mais uma infecção pela doença, ela conta que todos em casa mudaram os hábitos. “Hoje a gente usa tela de proteção nas janelas, olha cada cantinho da casa para ver se não tem criadouros do mosquito.”

Cuidados precisam ser mantidos

Evitar o agravamento da dengue só é possível com o diagnóstico precoce e correto — o que precisa ser feito por um médico, como explica o infectologista Marcelo Daher.

“O momento de hidratação, o momento de parar a hidratação. Medicamentos que podem e que não podem ser feitos. Então diagnóstico correto, procurando uma unidade de saúde para que seja notificado o caso e seja buscado o diagnóstico correto é muito importante. Não existe medicamento específico para a dengue, mas existem condutas corretas e a conduta correta salva vidas.”

O médico ainda complementa que crianças pequenas, gestantes e pessoas com comorbidades e doenças crônicas precisam estar atentos a qualquer sintoma e procurar imediatamente ajuda médica

Fonte: Brasil 61

Governo de Pernambuco vai contratar consultoria do Hospital Albert Einstein para reforçar gestão de grandes hospitais do Estado

Foto: Miva Filho/Secom SES-PE/Divulgação
Pernambuco vai contratar a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein para a prestação de serviço de consultoria na área de gestão. Nesta quarta-feira (20), foi publicado no Diário Oficial do Estado o termo que valida a contratação, que será assinada em breve. A consultoria vai atender a seis hospitais de alta complexidade sob administração direta da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. A reestruturação da rede é um dos compromissos da gestão estadual, que já foi iniciada com obras em algumas unidades, como é o caso do Hospital da Restauração.
 
“Estamos trabalhando para garantir um melhor atendimento à população a partir de mudanças na gestão dos grandes hospitais do Estado. A Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein é um serviço de referência em gestão hospitalar no Brasil, já atuante em alguns estados e municípios brasileiros em parceria com a administração pública. Por isso, podemos garantir o avanço na governança dos equipamentos estaduais”, destacou a governadora Raquel Lyra.
Fotos: Miva Filho/Secom SES-PE/Divulgação
 
As unidades que serão atendidas através da consultoria com o Einstein são: Hospital Agamenon Magalhães, Hospital Barão de Lucena, Hospital da Restauração, Hospital Getúlio Vargas e Hospital Otávio de Freitas, localizados no Recife, e Hospital Regional do Agreste, situado em Caruaru. O objetivo da consultoria será prestar assessoria na implantação de ações de melhoria de processos assistenciais e de gestão, com a proposição e assessoramento na implantação de modelo de gestão logística e de suprimentos. Esse trabalho é destinado a promover qualidade e segurança dos serviços de saúde ofertados aos usuários do Sistema Único de Saúde no Estado.
 
“É muito importante trabalhar a governança dos hospitais de alta complexidade, que são um verdadeiro alicerce para a saúde do Estado. A consultoria terá como foco problemas históricos, que são a superlotação e o desabastecimento. Então, que a gente consiga, a partir da experiência e da capacidade reconhecida do Einstein nessa área de gestão hospitalar, realmente melhorar a governança dos hospitais, que se traduz em melhoria da assistência à população. Essa é mais uma ação de sustentabilidade na saúde do governo Raquel Lyra”, explicou a secretária de Saúde, Zilda Cavalcanti.
 
A contratação da Sociedade Einstein será realizada através de inexigibilidade de licitação, após uma avaliação iniciada ainda em 2023 que apontou a necessidade da consultoria. Uma série de análises foi feita por órgãos e secretarias competentes do Estado, com a participação da Secretaria de Saúde, da Secretaria de Administração e da Procuradoria Geral do Estado. A prestação de serviço será feita por um período de 24 meses e o valor da contratação é de R$ 23.207.720.
 
A partir da qualificação de serviços prestados, a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein será contratada pelo Governo do Estado. A escolha da empresa foi feita pelo alto nível de complexidade das intervenções necessárias com vista à qualificação da gestão e operacionalização da assistência nas seis unidades de alta complexidade. A sociedade é detentora de conhecimento em gestão e operacionalização das ações e serviços de saúde com corpo técnico formado por profissionais qualificados e experientes.

Prefeitura de Afogados vai realizar campanha de vacinação contra a gripe influenza

Tem início nesta quarta (20), em Afogados da Ingazeira, a campanha de vacinação contra a gripe influenza.

A vacinação ocorrerá em todas as unidades básicas de saúde, nos horários de 7h30 ao meio-dia e de duas às cinco da tarde.

O público prioritário dessa campanha é composto por:
– Crianças de 06 meses a menores de 06 anos.
– ⁠Trabalhadores(as) da saúde
– ⁠Gestantes e puérperas
– ⁠Professores(as)
– ⁠Idosos acima de 60 anos
– ⁠Pessoas em situação de rua
– ⁠Pessoas com doenças crônicas ou deficiência permanente
– ⁠Caminhoneiros
– ⁠Trabalhadores de transportes coletivos
– ⁠População privada de liberdade

Tendo em vista a diminuição dos índices de cobertura vacinal e da baixa procura, a secretaria de saúde vai promover, nas redes sociais, uma campanha de sensibilização para a importância das vacinas para a saúde e o bem estar da população. A campanha contará com personalidades públicas de Afogados, a exemplo do Bispo Diocesano Dom Limacêdo Antônio, prefeito Sandrinho Palmeira, pastores de igrejas evangélicas, dentre outros, trazendo depoimentos sobre a importância da vacina.

https://zulenealves.com.br/wp-content/uploads/2024/03/d0053eaf-a828-4ea0-9128-876c0139796d.jpg

Pernambuco contabiliza 6.347 casos prováveis de dengue; 469 já foram confirmados, aponta SES-PE

Mosquito da dengue

Pernambuco contabiliza 6.347 casos prováveis de dengue. Do total, 469 já foram confirmados. Os demais estão sendo investigados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), que notificou cinco casos graves até o momento.

Os dados são do Informe Epidemiológico de Arboviroses, com números das semanas epidemiológicas de 1 a 10, que correspondem ao período de 31 de dezembro de 2023 a 9 de março deste ano.

Segundo o documento, o número de casos prováveis de dengue é 365,3% maior se comparado ao mesmo período do ano anterior. A incidência é de 70,1 casos prováveis por 100 mil habitantes.

Os municípios com alta incidência de casos de dengue são Araçoiaba, na Região Metropolitana; Chã de Alegria e Itaquitinga, na Mata Norte; Terra Nova, Lagoa Grande, e Belém do São Francisco, no Sertão.

O critério técnico de alta incidência, estabelecido pelo Ministério da Saúde (MS), considera as notificações acima de 300 casos prováveis por 100 mil habitantes.

No período, dois óbitos suspeitos foram descartados. Outras 16 mortes notificadas para arboviroses seguem em investigação.

Chikungunya e Zika

O Informe Epidemiológico de Arboviroses também traz 1.340 casos prováveis de chikungunya, sendo 75 deles já confirmados pela SES-PE. A incidência é de 14,8 por 100 mil habitantes.

Além disso, o documento também aponta que Pernambuco investiga 116 casos prováveis de Zika, sem nenhum confirmado até o momento.

Monitoramento

A SES-PE destacou que a Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde e Atenção Primária (SEVSAP) tem atuado junto às Gerências Regionais de Saúde (Geres) e municípios, alinhando ações de combate ao mosquito Aedes aegypti.

“O Comitê de Enfrentamento das Arboviroses foi instituído desde o dia 16 de fevereiro deste ano e realizou a primeira reunião no último dia 21 de fevereiro. Além disso, a pasta já havia lançado, em novembro de 2023, um Plano de Contingência – documento constituído de ações que orienta o enfrentamento dessas doenças, organizado por cinco eixos estratégicos: Vigilância Epidemiológica, Vigilância Entomológica, Vigilância Laboratorial, Assistência à Saúde, Comunicação/Mobilização Social e Gestão”, afirmou a pasta.

Em todo o Estado, as estratégias de mobilização incluem abordagens educativas à população, mutirões de limpeza, visitas domiciliares, além da capacitação dos profissionais de saúde dos municípios.

Ministério da Saúde passou a recomendar testes rápidos para diagnóstico de dengue

O Ministério da Saúde passou a recomendar o uso de testes rápidos para diagnóstico e fechamento de casos de dengue. De acordo com a secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente, Ethel Maciel, foi elaborada uma nota técnica para orientar estados e municípios sobre o uso de testes rápidos para dengue.

“Já iniciamos a compra para distribuição”, disse Ethel, em entrevista coletiva. A secretária lembrou que outros testes para diagnóstico de dengue, como o RT-PCR, amplamente utilizado durante a pandemia de Covid-19, são mais sensíveis na detecção do vírus. Entretanto, em meio à explosão de casos de dengue no país, o Ministério da Saúde decidiu recomendar teste rápido para o diagnóstico de dengue com a devida orientação aos profissionais de saúde das redes estaduais e municipais.

De acordo com a coordenadora-geral de Laboratórios de Saúde Pública, Marília Santini, o teste rápido recomendado pelo ministério deve ser realizado entre o primeiro e o quinto dia de sintomas, período em que a maioria dos pacientes busca um serviço de saúde. Mesmo em casos de resultado negativo, o paciente deve ser monitorado e ações estratégicas, como a hiper-hidratação, devem ser adotadas, reforçou.

Ainda segundo Marília, para casos graves e mortes suspeitas por dengue, a orientação da pasta permanece sendo a realização de exame laboratorial, e não do teste rápido, uma vez que este tem limitações, como a incapacidade de rastrear o sorotipo de dengue que causou o agravamento do quadro ou o óbito do paciente.

Conheça a vitamina que pode ser remédio para estrias

Vitamina E
Vitamina E – Foto: Freepik

A vitamina E surgiu como um possível medicamento natural para combatê-las

As estrias brancas, marcas na pele causadas pelo estiramento repentino dos tecidos, podem ser uma preocupação estética para muitas pessoas.

Embora não haja soluções milagrosas para eliminá-las completamente, a vitamina E tem sido apontada como um possível remédio natural para amenizá-las. Aqui está como essa vitamina pode reduzir a aparência das estrias brancas e melhorar a saúde da pele.

De acordo com o MedlinePlus, a vitamina E é um nutriente solúvel em gordura que atua como antioxidante no corpo. Ela ajuda a proteger as células contra danos causados pelos radicais livres, compostos formados quando o corpo converte os alimentos que consumimos em energia. É encontrada naturalmente em muitos alimentos, como óleos vegetais, nozes, sementes, vegetais de folhas verdes e alguns cereais fortificados. Também está disponível como suplemento dietético em cápsulas ou óleo.

A vitamina E desempenha um papel importante na função imunológica, saúde da pele e dos olhos, e pode ter efeitos benéficos para a saúde do coração e na prevenção de doenças crônicas.

Benefícios da aplicação de vitamina E na pele:

Propriedades antioxidantes: a vitamina E é conhecida por suas poderosas propriedades antioxidantes, que ajudam a proteger a pele do dano causado pelos radicais livres e a promover a regeneração celular.

Hidratação e elasticidade: aplicar óleo de vitamina E nas estrias brancas pode ajudar a hidratar a pele e melhorar sua elasticidade, o que pode reduzir a aparência das estrias ao longo do tempo.

Estimulação do colágeno: acredita-se que a vitamina E possa estimular a produção de colágeno, uma proteína essencial para manter a pele firme e elástica, o que poderia ajudar a melhorar a aparência das estrias brancas.

Leia mais

Casos prováveis de dengue aumentam 84,7% em uma semana em Pernambuco

A fêmea adulta do Aedes aegypti após uma refeição de sangue — Foto: Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC)
A fêmea adulta do Aedes aegypti após uma refeição de sangue — Foto: Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC)

Foram mais de mil casos notificados em uma semana, segundo a Secretaria Estadual de Saúde

Em uma semana, Pernambuco teve um aumento de 84,7% no número de casos prováveis de dengue, conforme dados divulgados nesta quarta-feira (28) pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). Ao todo, foram notificados 2.599 casos até a 8ª semana epidemiológica, que terminou no sábado (24). Até a sétima semana, o estado tinha 1.407 ocorrências.

Os 2.599 casos prováveis são casos confirmados e casos em investigação. De acordo com os dados da SES, esse número é 201,9% maior que o registrado no mesmo período de 2023. Houve, até agora:

  • 230 casos confirmados de dengue;
  • Dois casos de dengue grave (entenda por que a forma grave não deve ser chamada de hemorrágica);
  • Seis mortes.

As mortes associadas às arboviroses, segundo a SES, ainda estão sendo investigadas, porque os sintomas podem ser confundidos com um conjunto considerável de outras doenças.

Entre as duas semanas, o número de casos confirmados também aumentou de forma expressiva. Eram 151 confirmações até a 7ª semana epidemiológica, 79 a menos que os 230 casos confirmados até o momento.

Segundo a SES, duas cidades entraram em estágio de “alta incidência” para casos de dengue: Araçoiaba, no Grande Recife, e Chã de Alegria, na Zona da Mata Norte. Ambos apresentam mais de 300 casos por 100 mil habitantes.

Na 8ª semana, houve 16 cidades com “média incidência” (100 a 300 casos por 100 mil habitantes). Eram sete cidades nesse estágio na semana anterior.

No Recife, denúncias de possíveis focos de mosquito Aedes aegypti podem ser feitas na Ouvidoria do SUS, no telefone 0800.281.1520, que funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h; ou na internet, em qualquer horário.

Chikungunya e zika

Leia mais

Primeira morte por chikungunya em 2024 é confirmada na Paraíba

Anticorpos (Crédito: Freepik)
Anticorpos (Crédito: Freepik)

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde da Paraíba (SES-PB), a vítima era um homem de 57 anos, morador do município de Sapé

A Paraíba registrou a primeira morte por chikungunya no estado em 2024, nessa segunda-feira (26/2). Segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde da Paraíba (SES-PB), a vítima era um homem de 57 anos, morador do município de Sapé.

A chikungunya é uma doença viral transmitida pelo Aedes aegypti, mesmo vetor da dengue e do zika vírus. Os sintomas são: febre alta, dores articulares intensas, dor de cabeça, cansaço e erupções cutâneas. Em casos graves, pode levar à morte, principalmente em pessoas com condições de saúde pré-existentes.

As informações são do Metrópoles.

Por: Metrópoles

Afogados da Ingazeira retoma cirurgias de catarata, diz Secretário de Saúde

https://i0.wp.com/nilljunior.com.br/wp-content/uploads/2024/02/ArturAmorim-20-02-24.jpeg

O município de Afogados da Ingazeira retomará as cirurgias de catarata como parte de um esforço para reduzir as filas de espera por procedimentos eletivos na área da saúde. A notícia foi anunciada pelo secretário de saúde, Artur Amorim, através de suas redes sociais nesta terça-feira (20).

Segundo Amorim, a decisão foi aprovada durante uma reunião da Comissão Intergestora Bipartite do estado de Pernambuco, por meio do Programa Nacional de Redução das Filas de Cirurgias Eletivas. A iniciativa visa agilizar o atendimento e garantir o acesso dos pacientes aos serviços de saúde, especialmente aqueles que aguardam por cirurgias oftalmológicas há algum tempo.

“Hoje aprovamos em uma reunião da Comissão Intergestora Bipartite do estado de Pernambuco através do Programa Nacional de redução das filas de cirurgias eletivas a volta da realização de cirurgias de catarata em nosso município”, declarou o secretário em sua publicação.

Artur Amorim aproveitou a oportunidade para agradecer o empenho da equipe de gestão da saúde municipal e dos prestadores de serviços de saúde que se credenciaram para realizar os procedimentos.

“O próximo passo será de ampliar o serviço aqui do município para atender todos os municípios da X região de saúde através do Programa CuidaPE”, acrescentou o secretário.

A retomada das cirurgias de catarata representa um importante avanço na política de saúde de Afogados da Ingazeira, proporcionando maior qualidade de vida e bem-estar para os cidadãos da região. A expectativa é de que a medida contribua significativamente para a redução das filas de espera e para o acesso mais rápido aos serviços oftalmológicos necessários para a população local.

Pernambuco registra aumento nos casos prováveis de dengue

O Brasil já teve mais de 400 mil casos prováveis de dengue em 2024 — Foto: Getty Images/BBC
O Brasil já teve mais de 400 mil casos prováveis de dengue em 2024 — Foto: Getty Images/BBC

Pernambuco registrou um aumento de 113,4% no número de casos prováveis de dengue até o dia 10 de fevereiro, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo relatório divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). Os casos prováveis são os confirmados, mais os que estão em investigação.

Mesmo assim, a Secretaria de Saúde explica que Pernambuco ainda não está em “situação de emergência”. De acordo com o relatório da SES, foram confirmados 146 casos, sendo quatro considerados graves. “A incidência geral de 13,3 casos prováveis por 100 mil habitantes está distante do referencial do Ministério da Saúde para uma alta incidência, quando se ultrapassa o patamar de 300 casos por 100 mil habitantes”, explica o documento.

Os primeiros municípios pernambucanos considerados de média incidência para a dengue, segundo o boletim da SES, são Araçoiaba, no Grande Recife; Gravatá, no Agreste; Belém do São Francisco, no Sertão; e o distrito de Fernando de Noronha – que estão com indicadores entre 100 e 300 casos de dengue por 100 mil habitantes.

Ao todo, foram notificadas seis mortes por arboviroses, mas todas ainda estão em investigação, pois os sintomas são semelhantes para um conjunto de doenças. Além dos casos de dengue, o estado registrou 354 casos suspeitos e 28, confirmados, de chikungunya, um aumento de 23,8% em relação ao mesmo período de 2023, com incidência de 3,9 casos por 100 mil habitantes.

Já o zika teve 19 casos prováveis, mas sem confirmação, representando uma ocorrência 137,5% maior em comparação com o ano passado.
O boletim da SES considera o período entre 31 de dezembro de 2023 e 10 de fevereiro de 2024 para realizar a análise e aponta para a quinta semana seguida com aumento de registros de dengue.

A Secretaria de Saúde alerta para a importância de eliminar os focos do mosquito Aedes aegypti. Entre as ações, estão não juntar entulhos que possam acumular água, limpar vasos, calhas e outros possíveis focos das lavas do mosquito. Os principais sintomas da dengue são febre, manchas na pele, dor nos olhos, conjuntivite, dor no corpo e nas articulações e dor de cabeça. Ao perceber os sintomas, é importante procurar atendimento médico para evitar o agravamento da doença ou um possível óbito.

Fonte: G1

Covid-19: no pós-carnaval, casos da doença podem aumentar

Manter a vacinação em dia é importante para conter nova transmissão da Covid. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

São Paulo registrou aumento de 140% nas primeiras semanas de fevereiro, e especialistas alertam para importância de manter a vacinação em dia

Nuas ruas muita aglomeração, poucas medidas de higiene e uso de  máscara — só as de fantasia. Os novos casos de Covid-19 se mantiveram estáveis até a quinta semana do ano — quando foram registrados no Brasil mais 36.154 casos da doença — segundo o Ministério da Saúde. Mas, com o fim do Carnaval, o número de casos tende a aumentar ainda  mais.

O gerente médico regional da rede D’Or no Distrito Federal, Fabrício Silva, explica que é comum esse tipo de aumento nesta época do ano. “Toda situação que gera aglomeração, festividades, eventos, aumenta a transmissão de infecções relacionadas ao trato respiratório, especialmente aquelas que são transmitidas por gotículas — como é o caso da Covid-19, Influenza A e B. Essa já é a realidade de aumento de transmissão e taxa de novas transmissões quando passamos por momentos como este.”

Com o grande deslocamento de pessoas que saíram de regiões onde a dengue ainda não está tão incidente para grandes centros — que passam por uma epidemia da doença — o médico ressalta que “isso deve aumentar também os casos de dengue, impactando inclusive, nos serviços de saúde.”

Consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia o médico Marcelo Daher, explica como esses casos têm se apresentado.

“Os casos são mais leves, um quadro que simula um quadro gripal mais intenso, com muita dor de cabeça, tosse, febre, mal-estar. Na maioria dos casos não passa disso — e não há comprometimento pulmonar nem necessidade de internação.”

São Paulo lidera os casos e as nmortes pela doença 

Leia mais

Dengue: saiba por que idosos não foram priorizados na vacinação

Como os idosos são considerados grupo de risco, a expectativa é que em breve haja dados da vacina referentes a pessoas com mais de 60 anos  ((Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
)
Como os idosos são considerados grupo de risco, a expectativa é que em breve haja dados da vacina referentes a pessoas com mais de 60 anos ((Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Enquanto a vacina não chega para esse público, a recomendação é a tomada de medidas de prevenção contra o mosquito transmissor da dengue

Embora sejam o grupo com maior número de hospitalizações, os idosos não foram priorizados na vacinação contra a dengue por causa da ausência de dados sobre a eficácia da vacina Qdenga em pessoas com mais de 60 anos. Inicialmente, o imunizante será aplicado em crianças e adolescentes de 10 a 14 anos de idade — faixa etária que concentra a segunda maior de taxa de atendimentos médicos.

Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, como os idosos são considerados grupo de risco, a expectativa é que em breve haja dados referentes a pessoas com mais de 60 anos, que permitam que esse grupo seja incluído como elegível à vacina.

Enquanto a vacina não chega para esse público, a entidade recomenda a tomada de medidas de prevenção contra o mosquito transmissor da dengue. ”Idosos, bem como toda a comunidade, devem evitar acúmulo de água parada em locais como vasos de plantas, pneus e caixas d’água”, pontua.

”O uso de repelentes é essencial. E, caso haja alguma pessoa picada pelo mosquito da dengue ou com suspeita de ter sido infectado, é fundamental identificar o foco do mosquito e eliminá-lo imediatamente”, acrescenta a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia.

Início da vacinação

Leia mais

Casos de dengue mais que duplicam em Pernambuco, e governo vai orientar municípios a acionar plano de contingência

No Sertão, especialmente em Petrolina e Ouricuri, é onde há maior escape da linha de controle - ou seja, casos de dengue aumentam além do limite máximo
No Sertão, especialmente em Petrolina e Ouricuri, é onde há maior escape da linha de controle – ou seja, casos de dengue aumentam além do limite máximo – Marcos Santos/Jornal da USP

O número de casos prováveis por dengue em Pernambuco, em janeiro de 2024, cresceu 57,5% em relação ao registrado no mesmo período em 2023. O dado, ainda parcial, está no boletim epidemiológico de arboviroses da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), que abrange notificações até o último dia 27 de janeiro.

Segundo o balanço, o Estado totaliza 512 casos prováveis de dengue (confirmações + registros em investigações), com taxa de incidência de 5,7 casos prováveis a cada 100 mil habitantes. Do total, 55 registros já tiveram confirmação de infecção pelo vírus da dengue.

Pernambuco está por duas semanas acima do limite máximo de notificações. Estamos entrando numa terceira semana já no limite. E até o fim dela, certamente o total ultrapassará mais uma vez. A tendência, então, é de aumento de casos de dengue no Estado”, avalia o diretor-geral de Vigilância Ambiental e Saúde do Trabalhador da SES-PE, Eduardo Bezerra.

Ele informa que a secretaria está em processo de finalização de uma nota técnica com orientações para os municípios pernambucanos. “Eles poderão tomar decisões (para conter o avanço dos casos de dengue) com base no que está no Plano Estadual de Contingência das Arboviroses 2024.”

O plano foi lançado, ainda em novembro de 2023, com trabalhos que podem ser desencadeados e/ou intensificados para o enfrentamento das arboviroses nos municípios pernambucanos, a partir da análise do perfil epidemiológico no Estado e a organização da rede de atenção à saúde para atendimento desses casos.

“É documento norteador para que os municípios desenvolvam seus planos de forma localizada”, destaca Eduardo Bezerra.

“No Sertão, especialmente nas regionais de Petrolina e Ouricuri, é onde temos visto um maior escape da linha de controle (casos aumentam além do limite máximo). Na Região Metropolitana do Recife, ainda não há esse panorama, mas o trajeto tende a ser de crescimento.”

Até o momento, no Estado, não houve notificação ou confirmação de óbito por arboviroses.

Leia mais

Em duas doses; a vacina contra Dengue começará a ser aplicada em crianças e adolescentes

O Ministério da Saúde afirmou que a vacinação contra a dengue será feita a partir de fevereiro, em duas doses, e começará por crianças e adolescentes. Em meio à alta de infecção, o imunizante será aplicado em 521 municípios de regiões endêmicas do país.

Segundo o ministério, 16 estados e o Distrito Federal têm municípios que preenchem os requisitos para o início de vacinação. Como o laboratório tem uma produção limitada de doses, foi preciso definir prioridades.

As regiões selecionadas atendem a três critérios. Elas têm que ser formadas por municípios de grande porte, ou seja, com mais de 100 mil habitantes, com alta transmissão da dengue registrada em 2023 e 2024 e com maior predominância do sorotipo DENV-2.

Serão vacinadas as crianças e adolescentes entre 10 e 14 anos, faixa etária que concentra maior número de hospitalizações por dengue. Foram cerca de 16,4 mil de janeiro de 2019 a novembro de 2023. Eles só ficam atrás das pessoas idosas, grupo para o qual a vacina não foi autorizada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A remessa de 750 mil vacinas Qdenga, fornecidas pela farmacêutica japonesa Takeda, chegou ao Brasil no último sábado. Esse primeiro lote faz parte de 1,32 milhão de doses que serão distribuídas gratuitamente via SUS (Sistema Único de Saúde).

O restante das doses, 5,2 milhões, chegará em etapas até novembro, somando cerca de 6,4 milhões, adquiridas da farmacêutica. O imunizante é aplicado em um esquema de duas doses, com intervalo de 90 dias entre elas.

732 novos médicos do Programa Mais Médicos foram nomeados para Pernambuco

Retomado pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Programa Mais Médicos adicionou 732 novos médicos para atender a população dos 184 municípios de Pernambuco. Agora, há um total de 1,6 mil profissionais atuando no estado, sendo 19 em um Distrito Sanitário Indígena.

Na atualização realizada nesta segunda quinzena de janeiro, a plataforma ComunicaBR apresenta, em detalhes, informações sobre o alcance de importantes programas para a população pernambucana, com destaque para o Mais Médicos, Atenção Primária à Saúde, Brasil Sorridente e SAMU.

A plataforma mostra que, até novembro de 2023, 136 novas equipes de saúde bucal foram habilitadas pelo Programa Brasil Sorridente para atendimento gratuito, chegando a 1,9 mil no estado. O Brasil Sorridente está ligado a diversas ações e programas, como o Saúde na Escola, Plano Nacional para Pessoas com Deficiência, Saúde do Trabalhador, Vigilância Ambiental e Fluoretação das Águas de Abastecimento Público, entre outras. Além disso, apresenta ações voltadas para a qualificação de gestores e profissionais de saúde e para a educação em saúde da população.

Componente fundamental da Política Nacional de Atenção às Urgências, o SAMU 192 teve um repasse em Pernambuco, até novembro de 2023, de R$ 53 milhões para custeio de 169 ambulâncias básicas e 24 UTI móveis. Os veículos do SAMU 192 são distribuídos estrategicamente, de modo a otimizar o tempo-resposta entre os chamados da população e o encaminhamento aos serviços hospitalares de referência.

Na Atenção Primária à Saúde, 104 novas equipes foram habilitadas para atuação no estado, chegando a 2,6 equipes de saúde da família e 83 de atenção básica em Pernambuco.

Covid-19: Fiocruz alerta para mortes de crianças causadas pela doença

Segundo a Fiocruz, ainda é baixo número de crianças vacinadas. Foto: José Cruz/Agência Brasil

A taxa de mortalidade por Covid-19 foi de 4,3 mortes por 100 mil habitantes para menores de 1 ano e 0,6 por 100 mil para crianças de 1 a 4 anos entre agosto de 2021 e julho de 2022, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Os dados mostram que, apesar do número de mortes, apenas 22,2% das crianças entre três e quatro anos foram vacinadas com duas doses da vacina contra a doença.

A pesquisadora da Fiocruz Viviane Boaventura recomenda aos pais que vacinem seus filhos contra a doença, que tirou a vida de 708.999 brasileiros. Ela afirma que as vacinas contra a Covid-19 são seguras e evitam mortes de crianças pela doença.

“Para as crianças realmente é um chamado para que os pais mantenham a caderneta vacinal das crianças para a Covid 19 em dia. Não tem por que desconfiar. A mesma ciência que é feita, as mesmas estratégias que são usadas para analisar a efetividade e a segurança das vacinas são as mesmas para todas as vacinas”, afirma a pesquisadora.

Mesmo com a queda no número de casos da doença, segundo Viviane Boaventura é importante se vacinar. A pesquisadora enfatiza a importância da imunização, em especial para crianças e adolescentes. Boaventura assegura aos pais — com algum receio de vacinar os filhos — que não existe controvérsia sobre a segurança, eficácia e efetividade dos imunizantes.

“É natural que os pais se preocupem com eventuais riscos adversos à vacina ou a qualquer medicamento. Mas as vacinas são consolidadamente um método efetivo contra a infecção e principalmente contra formas graves da doença. Então quando se opta por vacinação, os estudos feitos da segurança, da eficácia, já comprovam que essas vacinas são protetoras e evitam que essas crianças possam falecer de Covid”, destaca.

Quanto a possíveis reações, a pesquisadora explica que todos os medicamentos possuem riscos de efeitos adversos. No entanto, no caso das vacinas, são “extremamente baixos”. Viviane Boaventura pontua que a vacinação é indicada e necessária.

Síndrome respiratória

Em 2023, até novembro, foram registrados 5.310 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por Covid-19 e 135 mortes  de crianças menores de cinco anos. Segundo o Ministério da Saúde, desde o início da pandemia, em 2020, até novembro do ano passado, também foram notificados 2.103 casos de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) no Brasil, com 142 mortes entre crianças.